domingo, 3 de julho de 2011

Algumas considerações sobre o amor...

Há alguns dias ao ver a novela ‘Cordel Encantado’ na rede Globo, me deparei com a cena do personagem Farid (Mouhamed Harfouch), na qual ele se encontra desesperado, pois, mantém um relacionamento amoroso com três mulheres: Neusa (Heloísa Perissé), Penélope (Paula Bulamarqui) e Bartira, personagem de Andréia Horta. A vida de Farid é um inteso jogo de cintura pra contornar as complicações de conciliar três relacões de forma secreta. Farid jura que ama de forma igual cada uma delas e que não saberia viver sem seus amores.
A novela mostra de maneira lúdica um assunto que muitas vezes é deixado de lado nas relações, mas, que atinge números muitos altos segundo algumas pesquisas. Trata-se da infidelidade nos relacionamentos amorosos e do impacto que a descoberta causa aos envolvidos. Quem acompanha a trama, percebe que o personagem de Mouhamed realmente ama suas mulheres e sofre pela situação, por não querer magoar nenhuma delas.
Segundo Regina Navarro Lins, autora do Best Seller ‘A Cama na Varanda’ publicado inicialmente em 1997 e relançado em 2005, “Numa relação amorosa estável, as cobranças de fidelidade são constantes e sua aceitação é natural. Com toda a vigilância que os casais se impõem, ficam impedidos de vivenciar experiências ricas e reveladoras que outros parceiros podem proporcionar. O conflito entre o desejo e o medo de transgredir é doloroso.”
As restrições que muitas pessoas têm o hábito de se impor por causa dos outros ameaçam bem mais uma relação do que uma "infidelidade". A música ‘Medo da Chuva’ de Raul Seixas aborda bem esse tema no momento em que seu ‘eu lírico’ lastima as restrições imposta por ele próprio, para sustentar seu relacionamento: “Porque quando eu jurei meu amor/ Eu traí a mim mesmo, hoje eu sei/ Que ninguém nesse mundo/ É feliz tendo amado uma vez...”
Voltando a nosso anti-herói, Farid se encontra em um eterno dilema: escolher uma de suas mulheres para viver ou ficar com as três de forma secreta. Na primeira escolha ele estará sendo desonesto com ele mesmo, traindo sua personalidade, lhe impondo restrições aos seus desejos por causa da mulher escolhida. No segundo caso ele estará mentindo para as pessoas que ele deveria ser o mais honesto possível, que são os seus amores.
O sentimento mais importante em qualquer relação é a sinceridade, ser sincero com você mesmo e com o outro. Contar sobre o desejo e a necessidade de realizá-lo é um ato de respeito à liberdade alheia, dessa forma damos o direito ao outro de permanecer ou não no relacionamento. Ninguém é obrigado e nem quer viver enganado. “somos responsáveis tanto pelo exercício de nossa liberdade quanto por permitir ao outro o exercício de escolha e da sua própria liberdade.”
Jean-Paul Sartre, filósofo e escritor defensor do existencialismo, em relação a sua companheira, Simone de Beauvoir, imortalizou a seguinte frase: "Entre nós, trata-se de um amor necessário: convém que conheçamos também amores contingentes." Trata-se da afirmação de que ninguém pode complementar todas as necessidades de outra pessoa por ela mesma. Somos seres imperfeitos com os mais diversos defeitos e qualidades. Às vezes nosso maior defeito apontado pelos outros pode ser nossa maior qualidade e algumas de nossas qualidades chegam a ser insuportáveis. Não se deve idealizar a pessoa amada e esperar que ela lhe complete plenamente. Deve-se apenas amar de forma honesta e real, sem esperar que o outro lhe complete de todas as formas possíveis.
Amor necessário é o amor que mantém a verdadeira essência da vida a dois. Uma relação onde todos se nutrem mutuamente desse processo para o ser desenvolvimento individual como pessoa. Nesse caso a presença da pessoa amada é indispensável para o crescimento e a felicidade de ambos. O amor necessário pode ser um casamento, um namoro ou uma amizade. O principal ponto é que seja uma relação, onde ambos buscam a felicidade e a felicidade da pessoa amada.
Amores contingentes estão intimamente ligados à descoberta do novo, o desejo e a necessidade que o ser humano possui em vivenciar emoções fortes e intensas. Não é o mesmo que uma relação aberta, que implica, apenas, encontros casuais fora do casamento, nem na infidelidade, que é secreta e sinônimo de desonestidade. As pessoas se permitem manter relações profundas e duradouras com outras pessoas, baseando-se no companheirismo, na amizade e amor.
Amores contingentes podem fortalecer ainda mais as relações de amor necessário. Amores contingentes podem se tornar amores necessários e coexistir em uma mesma relação.
O principal erro de Farid, em Cordel Encantado, é a sua falta de sinceridade com suas mulheres. Omitindo a existência de outras, ele alimenta cada vez mais seu sentimento egoísta, onde se preocupa apenas com sua felicidade negando o direito de que elas escolham permanecer ou não na relação.
No fim das contas, torço por um final feliz para o quarteto. Talvez entre mais alguém pra equilibrar o time.


"Amor não é se envolver com a "pessoa perfeita", aquela dos nossos sonhos. Não existem príncipes nem princesas. Encare a outra pessoa de forma sincera e real, exaltando suas qualidades, mas sabendo também de seus defeitos. O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser."
(Mário Quintana).

Por André Alves.

33 comentários:

  1. Muito boa sua análise da trama. Assisto todos os dias a novela, que na minha opinião, nem parece novela de tão boa.
    Acho muito engraçado as trapalhadas de Farid, mas, digamos que fosse o contrário. Ele estaria disposto a permanecer no relacionamento?
    Esse é o ponto que quero falar pra ser sincero e honesto de verdade o direito a contradição há de ser legítimo.
    Acho que alguém pode amar mais de uma pessoa sim. Difícil é fazer isso sem magoar a si mesmo e aos outros. São poucos e privilegiados quem cosegue ter um relacionamento assim.
    Qual a garota não queria ter um relacionamento como o da Aline da minissérie da globo, onde tem seu amor compartilhado por Otto e Pedro. Sem contar que Pedro Neschling, que faz o Otto é o maior gatinho.

    Adorei o tema do post, principalmente por me permitir desdenhar sobre esse assunto.

    Parabéns!!!

    Alê!!

    ResponderExcluir
  2. André, eu poderia comentar: "Adorei o texto" "Vc escreve bem" "passa lá no meu blog?"

    e esse tipo de coisa que claramente é de alguém que não leu o post. Estou numa "campanha" pela honestidade de leitura de postagens.

    Enfim, vamos lá: há muito tempo que não respeito e tenho total aversão à novelas. Admiro o capricho da produção, mas não dá pra aguentar textos requentados de 30, 40 anos falando sobre as mesmas coisas praticamente do mesmo jeito, mudando só a prdem dos acontecimentos (quando muito) e do ambiente.

    A sua análise sobre relacionamento deu um banho na mesmice de tudo que é novela. Foi pontual e interessante em cada linha. Me resta torcer pra que um dia vc se torne escritor de novelas e quem sabe minha antipatia pelo gênero dIe meia volta.

    Abs!

    Webcomic
    http://atmosphera2hq.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Querendo ou não, a infidelidade magoa e machuca.

    ResponderExcluir
  4. Olha 'Milena blogueira' Traição é a mentira, a falsidade e e falta de lealdade com a pessoa que amamos. Ser fiel a alguem é antes de tudo ser leal com ela e respeitar acima de tudo. Sou casada, tenho um relacionamento (aberto) de 10 anos e vivemos muito bem obrigada, somos muito felz e o principal sentimento que nos une é o amor cercado de honestidade. Acho que o que machuca e magoa mesmo é a mentira.

    ResponderExcluir
  5. O nome disso é Poliamor. Significa coisas diferentes para pessoas diferentes, envolve ser honesto e responsável no relacionamentos. Isso poderia tomar a forma de uma relação "aberta", ou um grupo de três ou mais adultos que são "monogâmicos" mas que se gostam entre si (polifidelidade), ou um conjunto ilimitado de outras situações. O poliamor significa "muitos amores." e é diferente no caso do personagem da novela que está mais pra poligamia (traição, mentira e falsidade).
    Poliamor não é poligamia; Poliamor não eh apenas ter um relacionamento aberto;
    Poliamor é a busca da felicidade recíproca entre os envolvidos. Ficar feliz com a felicidade do seu companheiro(a).

    Muitas pessoas que estão explorando poliamor também têm interesse em alternativas ao casamento. Algumas pessoas poli preferem não se casar, porque eles sentem o casamento vem com um pressuposto da monogamia. Algumas pessoas poly são casadas, mas consideramos o seu relacionamento uma "alternativa ao casamento tradicional" o Amor, a sinceridade, a honestidade e a busca da felicidade recíproca é o ponto principal da relação.

    Poliamor não é direito de todos. A maioria das pessoas nas relações de solteira quer ser monogâmico. Entre os casais solteiros que vivem juntos, 95% dizem que esperam a monogamia de seu parceiro. Para aqueles que acham poliamor é o mais adequado para eles, ou que estão interessados ​​em aprender mais sobre isso, vou deixar um link para leituras adicionais.

    http://openfidelity.info/

    ResponderExcluir
  6. Texto longo
    (u')

    Bem o "cara' em questão parece ser o problema da situação. Pois dizemos tanto que não devemos nos levar pelo sentimento; que devemos buscar o equilibrio entre razão e sentimento, mas não fazemos bem isso. Talvez se ele tivesse se controlado, controlado o desejo estaria apenas com uma mulher. E afinal amar é algo muito forte, é difícil acreditar que ele ame a 3 quando está enganando as 3.

    ResponderExcluir
  7. E vc sabe que a monogamia não é um conceito natural do homem né! Isso existe graças à propriedade privada e suas restrições... enfim!
    Acredito que, enquanto formos condicionados a amar uma pessoa só, vamos sofrer e sofrer e sofrer... mas é mágico apesar de dolorido!
    _______________________________________
    http://www.alteregodonuti.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Nossa!!!! Você é um ótimo ensaista! Parabéns!
    Seu texto se apresenta muito bem estruturado e bem escrito, o tema também ajuda muito ainda mais retirado de algo do cotidiano ligado a ficção, que é a novela, tudo isso muito próximo a todos nós.
    E esse assunto então... é muito comentado não só entre só casais, mas em debates sobre os indivíduos na nossa sociedade, pois para uns grupos, no caso de umas religiões, a bigamia é comum, quanto que para outras é caso de polícia.
    Mas... no caso da personagem da novela, acredito que ele se dará bem, ficará com a mulher de seus filhos, quanto as outras já possuem um caminho meio andado para outros romances... :)

    Até mais!
    ps: obrigada pelo comentário enriquecedor no meu blog!

    :)

    ResponderExcluir
  9. Acabas de ganhar mais uma seguidora!
    Buscar felicidade, buscar amor, são características nossas, e isso é bem real!

    http://distractingpages.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Acho que essa Alexandra é uma desavergonhada, Onde já se viu querer namorar dois garotos ao mesmo tempo?
    Depois reclama quando o namorado dela for visto com uma fulaninha em um show.
    E olhe que os meninos não ficam falados. A gente que é chamada de galinha.
    Não gostei do texto!!
    Perdi meu tempo.

    ResponderExcluir
  11. Caramba que assunto difícil hein!!
    Em primeiro lugar, detesto textos longos em blogs, mas esse seu me pegou querendo ler mais e mais... você escreve bem e tem uma leitura super fácil e agradável, parabéns.
    E sobre o tema, é muito difícil julgar e decidir... a acho que existem tantas formas de traição, que às vezes vc pode nem trair fisicamente saindo com outra pessoa, mas trai na forma de agir, pensar, falar, etc.

    Gostei mto do blog e vou ficar por aqui lendo os outros posts...
    Se der passa lá:
    http://draclaudiabenevides.blogspot.com/2011/07/dor-da-perda.html
    bjos

    ResponderExcluir
  12. Senhorita Lemos seu comentário foi uma "Gracinha"
    Sem palavras!! Seus cabelos loiros ofuscaram minha mente!!!
    Depois que me recuperar faço minha análise do texto.
    hehehehe!!!!

    ResponderExcluir
  13. Eu já vivi muito bem esta situação e sei o que é estar dividido entre "dois amores"... há quem diga que não é possivel, mas há aqueles que tem a capacidade de conciliar dois sentimentos e certamente aproveitar o que cada um tem de melhor... mas isso não é legal, no fim todos saem perdendo, com muita dor e mágoa.

    ResponderExcluir
  14. Alguns tem muita facilidade de amar...

    ResponderExcluir
  15. eu li, mas não vou comentar André!! pessoalmente a gente fala sobre isso... =D

    ResponderExcluir
  16. Larissa Rodrigues8 de julho de 2011 17:54

    Já cansei de tentar explicar minha relação afetiva para as pessoas. A maioria não está preparada psicológicamente pra entender ou aceitar o modo que escolhemos pra viver.
    Tenho 26 anos e sou casada a 3 anos e meio. Desde os tempos de namoro (5 anos) que abrimos nossa relação e somos por d+ felizes.
    Casamos pois nos amamos acima de tudo e queremos e buscamos a felicidade recíproca. (o amor necessário do texto)
    Só pq existe a possibilidade de um envolvimento emocional com mais alguém não quer dizer que façamos disso uma compulsividade na busca por novos envolvimentos.
    O legal de viver desprentenciosamente, não há cobranças para reprimirmos nossos sentimentos nem brigas por possessividade.
    Por exemplo, somos seres que nascemos para o amor, todos adoramos nos sentir admirados e desejados, conquistar e ser conquistado.
    Qual a garota que não gosta se sentir desejada e linda? Será que algo que nos faz tão feliz e alimenta nosso ego, como ser paquerada ou conquistar as atenções daquele gatinho, perde todo o sentido só pq namoramos, casamos, etc.
    No meu caso casamos pq não sabemos viver sem o outro, pq nos amamos e queremos bem. quero a felicidade dele de fato fico, feliz em saber q meu marido está feliz e ele se alegra com minha alegria.
    Há de tudo em nosso relacionamneto, companheirismo, amor, afeto, carinho, cumplicidade, respeito e amizade. Só não tem hipocrisia. Acho que esse é princícpio fundamental de uma relação aberta: honestidade.

    ResponderExcluir
  17. Podem falar o que quiser, podem analisar das mais variadas maneiras. Mas acredito que essa postura do personagens (e de mtos indivíduos) não passa de egoísmo. Quando esse cara admitir que as suas mulheres também tenham outros parceiros, aí sim, eu começarei a acreditar no amor dele.

    Esse tema é ótimo e alimenta uma discussão absurda. Mas vira uma coisa tipo papo de religião e de time de futebol, não adiante discutir, cada um tem a sua.

    Abraços!

    http://redutonegativo.blogspot.com
    http://cafeeagua.blogspot.com
    @rejane_marques

    ResponderExcluir
  18. A sinceridade...pode machucar, mas libertará o outro a conhecer o caminho da felicidade. Quem ama, quer fazer o outro feliz. Amar é deixar viver!
    Bom texto continue escrevendo que estarei seguindo!

    ResponderExcluir
  19. Acho que essa larissa do comentário acima nunca amou de fato seu companheiro.
    Quem ama não trai.

    ResponderExcluir
  20. Quem é a favor do poliamor argumenta: o mais importante é saber viver naturalmente e respeitar essa liberdade. Não se trata de enganar nem magoar ninguém. Eles têm como princípio que todas as pessoas envolvidas estão a par da situação e se sentem confortáveis com ela. A idéia principal é admitir essa variedade de sentimentos que se desenvolvem em relação a várias pessoas, e que vão além da mera relação sexual. Como nenhuma relação está posta em causa pela mera existência de outra, mas sim pela sua própria capacidade de se manter ou não, os adeptos garantem que o ciúme não tem lugar neste tipo de relação.

    ResponderExcluir
  21. Poliamor...
    Quando achamos que já vimos de tudo a secretaria para assuntos infernais do diabo surpreende com mais essa.
    Casal é 1 homem + 1 mulher!
    O homem deve ser o provedor da familia e a mulher amar e zelar pela sua casa, servindo com amor o seu esposo.
    Onde esse mundo vai parar?

    ResponderExcluir
  22. Gostei muito da maneira com escreveu sobre o tema.Embora não acompanhe a novela em questão, consegui captar sua mensagem.Parabéns!

    ResponderExcluir
  23. Amanda Literária10 de julho de 2011 18:47

    Você tem amigos que ama, certo? Não somente um, mas alguns. Tem também sua família – que pode ser bem grande: primos, tios, irmãos, pais, filhos – todos muito amados.
    Quando conhecemos um novo amigo ou nasce um novo filho não precisamos deletar alguém de nossa vida essa nova pessoa seja também amada.
    O amor é um sentimento infinito.
    E além de tudo tem o maridão, que recebe também uma parcela generosa de amor.
    Se conseguimos amar tanta gente simultaneamente, por que o amor romântico tem que ser dado pra somente uma pessoa?

    ResponderExcluir
  24. concordo com os dizeres da menina q comentou antes de mim
    =)
    http://meninos-cor-de-rosa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  25. Agradeço a todos pelos comentários.
    Gostei do debate que o texto está proporcionando.
    Minha intenção não é tomar partido por nenhum lado em específico, acho que cada um tem o direito de viver conforme suas convicções. O importante é ser feliz e fazer feliz quem estiver ao nosso lado, com sinceridade e respeito acima de tudo.

    Abraço a todos!!!
    André Alves

    ResponderExcluir
  26. Sobre as formas de amar: Certo ou errado! quem poderá dizer??
    Sobre o personagem: Acho que farid deria terminar sozinho, pois ele está longe de ser o cara sincero que vc idealizou no texto.
    No final das contas ele não passa de um enganador e faz todas sofrerem por causa de sua ausência, principalmente seus filhos. Seria bom se ele sentisse na pele, o que ele faz com as mulheres.
    Na vida real temos muitos Farids espalhado por aí vivendo vidas duplas e tudo mais...
    É assim e sempre vai ser nessa sociedade machista que vivemos.

    ResponderExcluir
  27. Acredito que o amor a uma pessoa só não seja humanamente natural!
    O ser humano se interessa sim por mais de uma pessoa, mas nossa cultura (por conta da propriedade privada) seguiu o rumo de se amar uma pessoa só, sem bagunças!

    No todo, quem ama, não está nem aí pra mais nada!
    Abraços...
    ____________________________________
    http://alteregodonuti.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  28. Você conseguiu de maneira coerente tratar de um tema espinhoso. Curioso que eu concordo com tudo que você disse. Acredito sinceramente que o amor , por mais difícil que possa ser compreendido, é algo desprendido, e acho possível sim que uma pessoa possa amar com a mesma intensidade, pessoas diferentes. Não falo de amor fraterno, ou materno, ou coisa do gênero, falo de amor em relacionamento. Realmente, a verdade é que ninguém é perfeito, e acaba que de alguma maneira a falta de algo em alguém nos empurra atrás desse algo em outro alguém, e não estou fazendo apologia à infidelidade, absolutamente. Mas que é uma realidade, ah isso é, e as pessoas, que em geral acham que amor e perfeição são sinônimos, acabam muitas das vezes caindo nessa armadilha.
    Não sou infiel (e já fui bastante), sou egoísta e acho que não conseguiria conviver com alguém que almasse além de mim, outro alguém, agora, não posso ignorar que tudo que vc disse é a mais pura expressão da verdade!

    http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  29. Obrigada por visitar e comentar meu blog!

    O amor tem diversas formas, intensidades e objetos para amar. Quando amamos apaixonadamente nos transformamos: nossos olhos brilham, nosso coração pulsa mais forte, o corpo treme...voltamos a ser crianças inseguras e carentes de carinho e atenção.
    Mas o amor pode ser também reflexivo, calmo, incondicional quando direcionado a nossos filhos, pais, ou animalzinho de estimação, por exemplo... e também complicado, tumultuado, misterioso e pouco sincero (não o amor mas a relação) como no caso do personagem da novela Cordel encantado.
    O importante nessa vida é ser feliz e só há felicidade onde há amor... a si e ao próximo!

    Bj!
    http://rejanebruck.blogspot.com

    ResponderExcluir
  30. O brabo é q muita mulher perdoa e aí eles ficam confiados. Mulher tem q se impor respeito.
    Ué, se eless podem, nós tbm! rsrrss

    http://vivaiona.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  31. Realmente, o seu texto está muito bom!
    Mas confesso, que não estaria preparada para encarar uma relação 'livre', portanto decidiria sair da relação se me propusessem tal situação. A verdade, é que não existe uma regra para um amor dar certo, fulana e fulano podem se sentir confortável com essa liberdade, já outros não. Eu penso que a amizade, a família já bastam como formas de amor além do meu amor, enfim

    http://mmmorango.blogspot.com

    ResponderExcluir
  32. Não tinha como não vir aqui agradecer o seu elogio às minhas doses de Analgésicos & Opioides. Obrigada mesmo!

    Mas aí o post de primeira vista é sobre o amor e infidelidade... E sabe, acho que um blog sobre esse assunto ainda seria insuficiente. Pouco para todas as histórias, maneiras e percepções. Mas posso deixar aqui meu breve olhar: aos olhos de quem é expectador, amor é sentimento e infidelidade é comportamental. Se confunde em valores, moral, certo, errado, amado, amante. Aos olhos de quem vive o amor e a infidelidade, tudo se torna sentimento... bom, ruim, intenso, confuso, raso e profundo - jã que citou-se Raul.

    ResponderExcluir

Espero que tenha gostado do que acabou de ler.
Comentários inteligentes são um excelente cartão de visitas:

Total de visualizações na última semana